segunda-feira, 6 de maio de 2013

Das estrelas ao coração (livro 2) - capítulo 2


 Capítulo 2

Chegando em casa, Diego ligou para o avô, que gostou muito da ideia de passar um fim de semana na fazenda de sua velha amiga.Já fazia algum tempo que não ia á fazenda e aquela seria uma boa oportunidade para descansar em meio á natureza.                                                                           

__ Fazenda?!Mas que ótima ideia, garoto! Claro que vamos!__Disse vovô Lúcio empolgado.__Mas quando pretendem ir?                                                                                                            
__Assim que o senhor puder, vovô !                                                                                   
__Bom, nesse fim de semana não vou poder,mas no próximo estarei disponível.             
 __Que ótimo, vovô !Posso já marcar com a Tia Gardênia e as meninas?                                                            
__Claro, garoto ! Depois passarei aí para combinarmos tudo.

__Até mais,vovô!                                                                    

__Até mais,garoto! __Diego desligou o telefone e foi para a sala,onde sua mãe já o esperava para jantar.

__Oi, filho ! Que bom que você chegou !Estava no telefone?                                                                                                                                                             
__Sim!Liguei para o vovô Lúcio.                                                                                                            ,                        

__Por quê? Aconteceu alguma coisa?__Rosa disse,um pouco preocupada.                       

__Bom, liguei para chamá-lo para ir conosco para a fazenda da Tia Gardênia!                                         

__Mas,desde que a conheço,ela nunca disse que tinha uma fazenda.__Respondeu Rosa,um pouco intrigada.                                                                                                                                                      

  __É porque há muitos anos ela não vai mais lá.E então chamou a gente para ir com ela,não é legal?!__Claro! E quando é que vocês vão?                                                                                                                                                                             
 __No próximo fim de semana!Liguei para o vovô e ele disse que pode ir com a gente,então só falta falar com o resto do pessoal.Não quer vir conosco,mãe?                                                       
__Não vou poder filho. Mas me chamem da próxima!Faz tanto tempo que não sinto o cheirinho do campo!__Rosa respondeu um pouco nostálgica.                                                                                         
__Tudo bem,então.Nós vamos passar o fim de semana todo lá,você se importa?                       

__Claro que não ! Quero que você se divirta , Diego.E não leve livros!Vamos ver se consegue ficar um fim de semana inteiro longe deles,certo?                                                                                  

__Tá legal,mãe!__Diego se resignou,mas deu um leve sorriso.Assim que terminou seu jantar ,foi para o quarto e  deitou-se.Sentiu vontade de olhar para as estrelas.Já fazia algum tempo desde a última vez que havia dado uma “olhada no céu”.E também já não se sentia como antes.Observar o céu deixou de ser uma necessidade, e agora era apenas uma curiosidade,uma diversão.Ainda se admirava com a imensidão do universo,que por tanto tempo chamou sua atenção com a magnitude dos astros.Mas agora seu olhar era diferente.Não sabia exatamente como colocar em palavras o fato de não ver as coisas do mesmo jeito.Diego já sabia onde encontraria o que já procurava a bastante tempo, e não era no céu.                                                                          
     Ás vezes,se perguntava o porquê de estar aqui, e sentia –se um pouco vazio.Por mais que tentasse, era como se estivesse numa roda gigante que nunca parava e cada vez mais questões surgiam , fazendo com que tudo aquilo se tornasse um caos dentro de sua mente.Felizmente, havia encontrado uma maneira de não permitir que isso acontecesse frequentemente: quando sentia que sua mente tentava manipulá-lo, Diego logo se acercava de sua luneta e começava a procurar suas constelações.E logo se esquecia da “roda gigante”. Mas,mesmo assim, teria de encontrar uma maneira definitiva para sair da roda,porque aquilo lhe deixava angustiado.Pensou então, que vovô Lúcio poderia ajudá-lo a encontrar uma saída, e com essa esperança,adormeceu.                                                                                                               
   No seu sonho,Diego se viu sozinho em uma roda gigante.Já havia se passado muito tempo desde que tinha entrado no brinquedo, mas não conseguia sair.Começou a gritar,pedindo as pessoas que estavam ao redor,para que o tirassem dali,mas ninguém ouvia.Quanto mais gritava,mais sozinho se sentia.Diego achava que não conseguiria sair dali nunca mais.De repente, viu vovô Lúcio, que estava bem próximo de onde ele estava.Gritou  o avô desesperadamente:                                                                                                                     
 __Vovô ! Vovô! Me tire daqui !Eu não aguento mais!                                                                                              
__Eu não posso, meu filho.                                                                                                                                    
__Por quê ? É só desligar o brinquedo!                                                                                                                          
__Ninguém  pode desligá-lo,Diego! Mas você pode sair daí!__Vovô Lúcio desapareceu no meio da multidão.Sozinho de novo, Diego ficou ainda mais aflito.Não compreendia como poderia sair da roda gigante.Como? Era impossível!                                                                                                    
Começou a prestar atenção nas rotações do brinquedo.Marcou o lugar onde a roda passaria, que de acordo com seus cálculos,poderia pular e não sair machucado.Ou , pelo menos, não muito.Esperou que a roda chegasse onde havia marcado e pulou.Acordou de um sobressalto.Mas, aquilo foi só um sonho? Parecia tão real!Diego percebeu que havia transpirado tanto que sua cama estava toda molhada.Olhou no relógio : ainda eram duas da manhã.Levantou-se e lavou o rosto.Sentiu-se bem melhor ,mas ainda estava ofegante o bastante para não conseguir dormir ainda.Sentou-se na beirada da cama , e tentou entender o sentido daquele sonho.Era um sinal? Ele realmente poderia sair da “roda gigante”? Lentamente, foi adormecendo outra vez, e não acordou até que o sol nascesse.