segunda-feira, 10 de junho de 2013

A eternidade





segunda-feira, 13 de maio de 2013

Viver em alegria





Viver em alegria é caminhar pelas ruas e estampar no rosto, o sorriso que mostra como está seu coração.
É não ter receio de olhar nos olhos de um desconhecido, que nada tem de desconhecido, pois somos todos irmãos.
Viver em alegria é reconhecer no canto dos pássaros o amor que todos nós somos... sem exceção. Do mais rico ao mais pobre, do mais simples ao mais nobre, não existe separação.                  
Viver em alegria é viver no aqui e no agora, sem procurar razões... aproveitar tudo o que nos chega, apreendendo as lições.
É cantar uma canção que nos eleva o espírito, até nos sentirmos leves como plumas... e dançar sem preocupações em meio á chuva.
Viver em alegria é carregar dentro de Si, o sussurro do vento... deixando que ele leve consigo todos os nossos pensamentos.
Viver em alegria é enxergar além do que os olhos podem ver... e perceber que nada existe além do Amor, a essência de cada ser.        
É entregar sua vida nos braços da graça, que da maneira mais simples, te mostra o quanto a vida pode ser leve e, se nos tornamos transparentes, ela nos atravessa, nos transpassa.
Viver em alegria é viver como uma criança, amar sem um por quê, e ser a espontaneidade em cada gesto, brincar de não saber.
Viver em alegria é apenas ser... ser o Amor a cada minuto do nosso viver. 

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Das estrelas ao coração (livro 2) - capítulo 2


 Capítulo 2

Chegando em casa, Diego ligou para o avô, que gostou muito da ideia de passar um fim de semana na fazenda de sua velha amiga.Já fazia algum tempo que não ia á fazenda e aquela seria uma boa oportunidade para descansar em meio á natureza.                                                                           

__ Fazenda?!Mas que ótima ideia, garoto! Claro que vamos!__Disse vovô Lúcio empolgado.__Mas quando pretendem ir?                                                                                                            
__Assim que o senhor puder, vovô !                                                                                   
__Bom, nesse fim de semana não vou poder,mas no próximo estarei disponível.             
 __Que ótimo, vovô !Posso já marcar com a Tia Gardênia e as meninas?                                                            
__Claro, garoto ! Depois passarei aí para combinarmos tudo.

__Até mais,vovô!                                                                    

__Até mais,garoto! __Diego desligou o telefone e foi para a sala,onde sua mãe já o esperava para jantar.

__Oi, filho ! Que bom que você chegou !Estava no telefone?                                                                                                                                                             
__Sim!Liguei para o vovô Lúcio.                                                                                                            ,                        

__Por quê? Aconteceu alguma coisa?__Rosa disse,um pouco preocupada.                       

__Bom, liguei para chamá-lo para ir conosco para a fazenda da Tia Gardênia!                                         

__Mas,desde que a conheço,ela nunca disse que tinha uma fazenda.__Respondeu Rosa,um pouco intrigada.                                                                                                                                                      

  __É porque há muitos anos ela não vai mais lá.E então chamou a gente para ir com ela,não é legal?!__Claro! E quando é que vocês vão?                                                                                                                                                                             
 __No próximo fim de semana!Liguei para o vovô e ele disse que pode ir com a gente,então só falta falar com o resto do pessoal.Não quer vir conosco,mãe?                                                       
__Não vou poder filho. Mas me chamem da próxima!Faz tanto tempo que não sinto o cheirinho do campo!__Rosa respondeu um pouco nostálgica.                                                                                         
__Tudo bem,então.Nós vamos passar o fim de semana todo lá,você se importa?                       

__Claro que não ! Quero que você se divirta , Diego.E não leve livros!Vamos ver se consegue ficar um fim de semana inteiro longe deles,certo?                                                                                  

__Tá legal,mãe!__Diego se resignou,mas deu um leve sorriso.Assim que terminou seu jantar ,foi para o quarto e  deitou-se.Sentiu vontade de olhar para as estrelas.Já fazia algum tempo desde a última vez que havia dado uma “olhada no céu”.E também já não se sentia como antes.Observar o céu deixou de ser uma necessidade, e agora era apenas uma curiosidade,uma diversão.Ainda se admirava com a imensidão do universo,que por tanto tempo chamou sua atenção com a magnitude dos astros.Mas agora seu olhar era diferente.Não sabia exatamente como colocar em palavras o fato de não ver as coisas do mesmo jeito.Diego já sabia onde encontraria o que já procurava a bastante tempo, e não era no céu.                                                                          
     Ás vezes,se perguntava o porquê de estar aqui, e sentia –se um pouco vazio.Por mais que tentasse, era como se estivesse numa roda gigante que nunca parava e cada vez mais questões surgiam , fazendo com que tudo aquilo se tornasse um caos dentro de sua mente.Felizmente, havia encontrado uma maneira de não permitir que isso acontecesse frequentemente: quando sentia que sua mente tentava manipulá-lo, Diego logo se acercava de sua luneta e começava a procurar suas constelações.E logo se esquecia da “roda gigante”. Mas,mesmo assim, teria de encontrar uma maneira definitiva para sair da roda,porque aquilo lhe deixava angustiado.Pensou então, que vovô Lúcio poderia ajudá-lo a encontrar uma saída, e com essa esperança,adormeceu.                                                                                                               
   No seu sonho,Diego se viu sozinho em uma roda gigante.Já havia se passado muito tempo desde que tinha entrado no brinquedo, mas não conseguia sair.Começou a gritar,pedindo as pessoas que estavam ao redor,para que o tirassem dali,mas ninguém ouvia.Quanto mais gritava,mais sozinho se sentia.Diego achava que não conseguiria sair dali nunca mais.De repente, viu vovô Lúcio, que estava bem próximo de onde ele estava.Gritou  o avô desesperadamente:                                                                                                                     
 __Vovô ! Vovô! Me tire daqui !Eu não aguento mais!                                                                                              
__Eu não posso, meu filho.                                                                                                                                    
__Por quê ? É só desligar o brinquedo!                                                                                                                          
__Ninguém  pode desligá-lo,Diego! Mas você pode sair daí!__Vovô Lúcio desapareceu no meio da multidão.Sozinho de novo, Diego ficou ainda mais aflito.Não compreendia como poderia sair da roda gigante.Como? Era impossível!                                                                                                    
Começou a prestar atenção nas rotações do brinquedo.Marcou o lugar onde a roda passaria, que de acordo com seus cálculos,poderia pular e não sair machucado.Ou , pelo menos, não muito.Esperou que a roda chegasse onde havia marcado e pulou.Acordou de um sobressalto.Mas, aquilo foi só um sonho? Parecia tão real!Diego percebeu que havia transpirado tanto que sua cama estava toda molhada.Olhou no relógio : ainda eram duas da manhã.Levantou-se e lavou o rosto.Sentiu-se bem melhor ,mas ainda estava ofegante o bastante para não conseguir dormir ainda.Sentou-se na beirada da cama , e tentou entender o sentido daquele sonho.Era um sinal? Ele realmente poderia sair da “roda gigante”? Lentamente, foi adormecendo outra vez, e não acordou até que o sol nascesse.                          

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Uma vizinha muito especial ...


Tia Gardênia voltou da cozinha trazendo os biscoitos de baunilha e uma jarra de leite gelado. Sentados na pequena mesa da sala, serviu Diego e Laura, que já estava morrendo de curiosidade para comer os biscoitos.
─ Fiquem à vontade crianças! Vou terminar de assar os biscoitos e já volto pra falar com vocês!
Tia Gardênia voltou para a cozinha, Laura decidiu experimentar os biscoitos, que pareciam tão comuns quanto os que sua própria mãe assava, a não ser pelo aroma que se espalhava por toda a casa. Diego esperou que Laura mordesse o primeiro o biscoito.
─ Você primeiro!
Diego estava com um sorriso de quem sabia o que viria logo a seguir.
─ Tá legal!
Laura mordeu o biscoito.
─ Meu Deus! Isso tá delicioso! Acho que nunca comi nada tão gostoso em toda a minha vida!
Laura continuou comendo o biscoito. Mordeu mais um pedaço e sentiu uma textura áspera. Tirou o pedaço da boca e viu que dentro dele havia um pedaço de pergaminho.
─ O que é isso?
E uma pequena mensagem. Alguns biscoitos vêm com mensagens dentro deles.
─ Ei! Você foi premiada!
Diego disse já partindo um biscoito.
─ Ah! O meu não tem nada!
Tia Gardênia voltou da cozinha, um pouco corada por causa do calor do forno.                             
─ E então menina? O que está escrito aí? Vejo que recebeu uma mensagem!
Laura abriu o pedaço de pergaminho e leu o que estava escrito:
─ “O mundo que se manifesta ao seu redor é apenas um reflexo do que você vive no interior”.
Laura saboreou aquelas palavras assim como havia feito com o biscoito.
─ Como assim, Tia Gardênia?
Laura queria mais explicações, ainda não estava satisfeita.
Tia Gardênia se aproximou e sentou-se no meio de Laura e Diego.                                     
─ Vocês já pararam alguma vez para olhar o que acontece ao seu redor? A maioria dos jovens hoje se preocupa com o futuro: o que vão cursar na faculdade, aonde vão querer estar, o que vão ser daqui há alguns anos, etc. Mas se esquecem de que devem construir o agora. Não adianta reclamar de que o que se manifesta ao seu redor não lhe agrada, se você passa todo o seu tempo a planejar um futuro que sequer existe... Laura, se hoje você está feliz ou não com o que se manifesta ao seu redor, é porque você criou isso. Você é responsável por tudo o que se manifesta na sua vida.

Em breve teremos um trechinho do segundo livro de "Das estrelas ao coração"... Aguardem ! :D


domingo, 28 de abril de 2013




quinta-feira, 25 de abril de 2013

Trecho de "das estrelas ao coração"








Bagunçando o cabelo do neto, vovô Lúcio se lembrou do sorriso radiante ao abrir a caixa de presente e ver dentro dela a primeira luneta que ele mesmo havia ganhado quando ainda era muito jovem, de seu pai.
__Deixe-me ver o que anda observando pelo céu hoje. - Aproximando-se da luneta, vovô Lúcio pode ver a constelação das Plêiades, próxima da constelação de Órion
__Está ficando bom nisso hein, garoto. Encontrou as irmãs em bem menos tempo que eu. Olhando para o neto, vovô Lúcio abriu um leve sorriso.                                                            
 __Ah, por favor, vovô! Vou levar uns 50 anos pra descobrir metade das estrelas que o senhor já encontrou.
      Disse Diego, sonhando com os milhares de horas que passaria só ele e o céu. Gostava de imaginar que alguém, a muitos milhares de anos-luz, também observava o planeta Terra.                       
__Vovô, não seria engraçado se alguém pudesse ver a gente lá das estrelas?
    Diego ainda olhava a constelação das Plêiades, quando seu avô respondeu
__Porque não haveria? -Vovô Lúcio viu Diego arregalar os olhos, espantado com a resposta.
__Não é exatamente o que você está fazendo agora? Os observando?       



Clique aqui para acessar o site e baixar os livros L.E.A 

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Frase do dia